“Estou convencido de que nenhum ar comum de fora é tão prejudicial quanto o ar dentro de uma sala fechada que muitas vezes foi respirado e não mudou”. Essa frase de Benjamin Franklin (diplomata, escritor, jornalista, filósofo político e cientista norte-americano) foi dita há 250 anos atrás, mas recentemente estudos de Harvard deram mais credibilidade à teoria de que o ar limpo nos torna mais produtivos.

Veja como funcionou o estudo em Harvard
Joseph Allen, professor assistente e diretor do programa Healthy Buildings de Harvard, juntamente com seus colegas Jack Spengler e Piers MacNaughton e os colaboradores Suresh Santanam, da Syracuse University, e Usha Satish, da SUNY Upstate Medical, investigam essa teoria há muito tempo.

Na primeira fase do estudo, eles inscreveram 24 trabalhadores, que são gerentes, arquitetos e designers, para passar seis dias, durante um período de duas semanas, em um ambiente de trabalho altamente controlado no Syracuse Center of Excellence.

Todos os dias, eles solicitavam que os participantes seguissem sua rotina normal de trabalho das 9h às 17h. Os pesquisadores então mudaram as condições de qualidade do ar de seus espaços de trabalho de um ambiente convencional, que atingiu os padrões minimamente aceitáveis, para um otimizado, que dobrou essas taxas mínimas de ventilação. Eles também mudaram o nível de compostos orgânicos voláteis, controlando os materiais no espaço e testaram três níveis de dióxido de carbono, uma questão fundamental no debate sobre qualidade do ar / produtividade.

Leia também:

Manutenção preventiva do ar-condicionado favorece economia de energia

Higienização do ar condicionado previne doenças respiratórias

De acordo com o professor, “as concentrações típicas de CO2 ao ar livre oscilam em torno de 380 partes por milhão (ppm), mas estudos descobriram que as concentrações de CO2 nos escritórios costumam chegar a vários milhares de ppm. Até mesmo nas salas de aula as concentrações de CO2 demonstram exceder consideravelmente 1000 ppm e ocasionalmente exceder 3000 ppm. Isso certamente refletirá em um impacto significativo na educação das gerações futuras”, conclui.

No final de cada dia, os pesquisadores testavam o desempenho da tomada de decisão dos trabalhadores usando um teste de função cognitiva padronizado. Os resultados foram mais claros do que eles poderiam esperar.

“Descobrimos que respirar melhor o ar levou a um desempenho significativamente melhor na tomada de decisões entre nossos participantes. Vimos pontuações mais altas nos testes em nove domínios da função cognitiva quando os trabalhadores foram expostos a taxas de ventilação aumentadas, níveis mais baixos de produtos químicos e dióxido de carbono mais baixo”, disse Joseph Allen, principal pesquisador do CogFx Study.

“Os resultados mostraram as melhorias mais significativas nas áreas que testaram como os trabalhadores usavam as informações para tomar decisões estratégicas e como planejam, mantêm-se preparados e fazem estratégias durante as crises. Essas são exatamente as habilidades necessárias para ser produtivo nas áreas de conhecimento”, continuou Allen, sublinhando a importância da pesquisa.

Leia também:

Teste, Ajuste e Balanceamento do ar condicionado evita reclamações no ambiente corporativo

Benefícios da renovação do ar no ambiente climatizado

A importância da qualidade do ar em ambientes fechados

Segunda fase do estudo de Harvard
Na segunda fase do estudo, a equipe mudou-se do laboratório para o mundo real, para poder testar melhor fatores adicionais do “mundo real”. Dessa vez, eles recrutaram mais de 100 trabalhadores do conhecimento em 10 edifícios localizados em climas variados nos EUA. Eles mediram a qualidade do ar interior em cada um desses edifícios, seis dos quais tinham “certificação verde” e testaram novamente a função cognitiva dos trabalhadores.

Controlando fatores como salário, tipo de trabalho, proprietário / inquilino e localização geográfica, os pesquisadores descobriram que os trabalhadores em edifícios com certificação verde obtiveram uma pontuação mais alta nos testes. Além da qualidade do ar, eles também viram que a temperatura teve um impacto significativo na produtividade. Ao trabalhar sob uma faixa padrão de temperatura e umidade confortável, os participantes tiveram um desempenho melhor nos testes de tomada de decisão, independentemente do edifício em que estavam.

Fonte: Webarcondicionado